Home Granizo destrói telhados, carros e lavouras no Extremo-Oeste de SC

Granizo destrói telhados, carros e lavouras no Extremo-Oeste de SC

Foto: Reprodução/ND – Danos causados em São Miguel do Oeste e Bandeirante

Quatro municípios do Extremo-Oeste de Santa Catarina foram
atingidos por uma intensa chuva de granizo que causou inúmeros danos no começo
da noite desta quarta-feira (19). Os estragos começaram a ser registrados por
volta das 18h30. Imagens compartilhadas na internet por moradores da região
mostram os danos em lavouras, automóveis e residências.

O Corpo de Bombeiros Militar de São Miguel do Oeste informou
que até às 22 horas foram distribuídos mais de nove mil metros quadrados de
lona para 110 pessoas que procuraram ajuda no quartel.  As ocorrências foram registradas nas comunidades
Aparecida, Novo Encantado, Santa Ana, Caxias e Filomena, além dos bairros São
Gotardo, São Luiz, Santa Rita e Progresso.

“É uma quantidade bastante expressiva de residências
atingidas, mas consideramos que esse número pode ainda ser maior, porque
algumas pessoas podem ter conseguido se reorganizar por conta própria”, disse
Fabiano Cezar Galeazzi, major dos bombeiros de São Miguel do Oeste.

No município de Bandeirante, que fica a cerca de 140 km de
Chapecó, a situação é ainda mais grave. Os bombeiros e a Defesa Civil ainda
estão apurando o número de famílias afetadas, mas há relatos de danos em
telhados de casas, veículos e plantações.

Os maiores estragos foram registrados na Linha Novo
Encantado, que faz limite com São Miguel do Oeste. Ao ND+, a Defesa Civil
informou que os danos foram provocados pela “incidência muito forte de granizo”
e em razão do “tamanho das pedras de gelo”. Não há relatos de feridos.

Imagens compartilhadas por moradores da região mostram
pedras de gelo acumuladas em estradas, lavouras destruídas e carros totalmente
amassados. Se comparadas, as pedras maiores que ovos de galinha. Além de São
Miguel do Oeste e Bandeirante, houve danos em Paraíso e Descanso.

O Corpo de Bombeiros pede aos moradores que evitem subir em
telhados e que procurem o batalhão mais próximo para buscar lonas, afim de
proteger os móveis. Ou ligue 193.

deixe seu comentário